VISITAS

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Adineva

Sentia-se inusitada pelo nome dado por seu pai: Adineva. Nome dado graças à carreira de engenheiro civil de uma pequena cidade às margens do esquecimento, como não poderia nomeá-la como Viela, Travessa ou coisa similar, conteve-se em usar avenida como protótipo invertido.
Família mais esnobe do que nobre, religiosa por demais, quase intolerantes ao extremo, sua diversão no fim da tarde limitava-se a ler com veemência os livretos religiosos, a bíblia e escutar as pregações do pastor pelo rádio de válvulas imensas, além de sorver a água purificada pelas orações, acomodada no copo que ficava em cima do rádio, e as beatificações órficas, um ritual contínuo.
Quando Adineva, filha única, ficara órfã, aos 37 anos, por causa de um acidente envolvendo uma carroça, o carro de seus pais e um carro funeral, pensara que não suportaria. O que fizera: agarrara-se mais às leituras religiosas, ao luto, à mesquinhez de uma vida solitária. A vizinhança a chamava de Adinegra, pois nunca deixava de sair coberta de negro e seus livros todos. Os adultos tinham medo, as crianças deboche.
Adineva nunca se incomodava com as pessoas, pois a fé e suas fervorosas orações lhe consolavam, mesmo diante do medo de nunca casar. Fora em maio dos seus 39 anos que começara a adoecer, ou a perceber que piorava gradativamente. Tonturas, enjoos, queimações no estômago, pensou: estou grávida. Afinal, era tão imaculada quanto a mãe de Cristo que Deus não poderia ofertar melhor dádiva do que conceber um filho por obra do Espírito. Suas regras haviam parado, o que corroborara suas intuições.
Nesse período de gestação pouco saía de casa, sua barriga aumentara, os enjoos também. Estava feliz por ser mãe, sem corromper sua carne. Pensara em mandar uma carta para o pastor explicando o caso, tudo graças à Deus. Aumentaram as dores. Finalmente, depois de quatro meses fora ao médico, que a escutou, auscultou, examinou e concluiu: não há gravidez, mas gravidade. Seu fígado estava com dimensões titânicas, estava doente, porém, não sabia a causa, nem a devota.
Fora para casa, chorou, orou, devorou seus livros todos e dormiu. Na semana seguinte o médico diria o resultado dos exames: contaminação. Mas como? Indagava. A senhora ainda tem os mesmos hábitos de seus pais? Inquiriu o médico. Consentiu com a cabeça. Então, provavelmente a água de que bebe esteja contaminada por causa da irradiação daquele velho rádio.

Um exame da água corroborou a teoria do médico. Enfurecida, raivosa, descrente e decepcionada, destruiu o aparelho à machadada e o queimou com toda literatura que dispunha, cortou o longo cabelo, subiu num salto e transformou a casa num bordel literário: lia-se o que se quisesse, contanto que desse prazer...

A droga do poder e as ovelhas carnívoras

Não sabemos se estamos no período moderno, pós-moderno ou hipermoderno, enfim, depende de quem escreve ou fala, no entanto, me espanta como as gentes todas ainda querem misturar as esferas partindo de sua perspectiva e não aceitam o contrário. Temos um Estado laico, como descreve a Constituição de 1988, onde cada pessoa tem o direito de escolher qual sua denominação religiosa ou não, mas algumas pessoas parecem pastorear de forma contrária: exigem que o Estado seja religioso e se agarram às teorias de que as pessoas agem como tal por causa de influências demoníacas ou a falta de deus no coração (letra minúscula porque não sei qual deles ou delas merece o título efetivamente). 

Pensemos: se o congresso, por uma obra do amigo, já que inimigo somos nós, os que defendem a laicidade, aprove a fusão, qual denominação seria tomada como norteadora? Assembleia? Congregação? Católica? Luterana? Presbiterianas? Umbanda? Candomblé? Kardecista? Essas três últimas penso que a gente ‘pastoreadora’ se remexeria e não aceitaria, como se não fossem expressões religiosas válidas, isso sem contar como tais pessoas deliberariam a religião oficial, que poderia ser pelo voto, palitinho, partida de gamão, dois-ou-um ou mesmo esperar que deus faça a escolha objetivamente. Me espanta como questões relacionadas à drogadição ainda possam ser atribuídas a problemas religiosos, como se ninguém possuísse vícios, apenas virtudes. Existem pessoas viciadas nos mais variados tipos de drogas físicas, metafísicas e abstratas, mas, me rendendo ao vício de clichês, a droga que mais causa danos ainda é o poder.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Escasso

Goteja viscosa, escassa Desgraça! Imprime incolor o paladar, Vontade? Limpa a boca na esperança de nova mordida.

domingo, 9 de junho de 2013

Retificas

As reticências escorrem entre os dedos, perco um ponto, somos dois agora, mas temo que me reste tão somente um ponto (a)final

Pont@s

Lanço aspas Me devolve silêncio Lanço indagações Me encerra em colchetes Num travessão qualquer minhas chaves tilintam a ausência da fechadura.

domingo, 2 de junho de 2013

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Possível Parada Gay em Mandaguari

Não é de hoje que comentários sobre a Primeira Parada Gay de Mandaguari, mas parece que agora a coisa toma corpo, talvez alimentada por discussões não neoliberais ou por agendas políticas que contemplam a diversidade, não sei, apenas sei dos novos boatos e da expectativa de uma trupe bem disposta a suscitar as discussões de forma bem elaborada. Uma pena não estar mais na cidade, penso que momentos como esse, apesar de parecer um disparate para muitos, revela a postura do que seja um processo democrático, ou seja, o debate entre as diferenças, os antagonismos... penso que seja bem melhor que tratar da possibilidade de estacionamento rotativo... Enfim... mandaguarienses o século XVIII já se foi.... Quando souber da datas, repasso...